Criar um Blog-Sexy
Meu Blog-Sexy
Denunciar
Próximo Blog

Pais de menina de 7 anos flagrada trabalhando em restaurante são autuados por maus-tratos

Postado em 18/6/2014 em 08:23 arquivado em aconteceu de verdade - 0 Comentários - Incluir Comentário - Link

Uma menina de apenas 7 anos foi flagrada trabalhando num restaurante em São Cristóvão, na Zona Norte do Rio, por policiais da Delegacia da Criança e do Adolescente Vítima (Dcav), neste domingo. Os agentes faziam uma ronda quando flagraram a garota carregando bandejas sujas para cozinha e atendendo clientes.

A movimentação da menor foi filmada e, depois disso, os policiais abordaram a menina. Ela contou que costuma sempre trabalhar no local durante suas férias. A garota revelou ainda que era levada para o restaurante pelo pai, gerente do comércio. Já os pais disseram aos agentes que o trabalho era como se fosse “uma brincadeira” para a menina.

A menina e os pais foram levados para a Dcav. O casal responderá por maus-tratos - a pena é de detenção de até um ano e quatro meses ou pagamento de multa. Depois de assinar um termo circunstanciado onde se comprometem a se apresentarem ao Juizado Especial Criminal (Jecrim), os pais foram liberados. O Conselho Tutelar foi acionado para acompanhar o caso.

- O Estatuto (da Criança e do Adolescente) é claro com relação ao trabalho infantil. Diz seu artigo 60: é proibido qualquer trabalho a menores de 16 anos, salvo na condição de aprendiz, a partir de 14 anos. Ou seja, o pressuposto é de que não pode haver trabalho infantil. A criança tem direito a não ser explorada no trabalho. Ponto. O trabalho em um restaurante, tendo acesso à cozinha, se equipara ao doméstico, já que expõe a criança a queimaduras, a agentes químicos e a carregar maior peso que a capacidade muscular, por exemplo - disse o titular da Dcav, delegado Marcello Braga Maia.
 


Facebook altera regras para permitir fotos de mães amamentando

Postado em 17/6/2014 em 03:51 arquivado em aconteceu de verdade - 0 Comentários - Incluir Comentário - Link

Campanha on-line #FreeTheNipple pedia fim do bloqueio dessas imagens.
Bloqueadas, imagens eram enquadradas como 'nudez e pornografia'.


 Após uma onda on-line de manifestações de mães, o Facebook fez uma pequena alteração em suas políticas de publicação para evitar que fotos de mulheres amamentando seus bebês, que antes eram bloqueadas no site, caiam no crivo dos moderadores de conteúdo.

Antes da mudança, o conjunto de regras "Facebook Community Standards", apesar de não proibir formalmente imagens de amamentação, permitia que fotos desse tipo fossem bloqueadas. Usuárias da rede social reclamavam constantemente que os moderadores do site alegavam “nudez e pornografia” para retirar essas fotos.

Até uma campanha on-line foi lançada para pedir que essa restrição fosse revogada. Os simpatizantes publicavam postagens com a hashtag #FreeTheNipple (#libereomamilo, em inglês). A blogueira norte-americana Paala Secor foi uma das ativistas que pediram à rede social para liberar imagens como estas.

Foi justamente o tópico “nudez e pornografia” das regras de publicação a ser modificado pelo Facebook. Agora, o trecho que determina as condições para que uma imagem seja barrada por conter nudez ou pornografia diz o seguinte: “O Facebook tem uma estrita política contra o compartilhamento de conteúdo pornográfico e qualquer conteúdo de sexo explícito em que um menor esteja envolvido. Nós também impomos limitações em mostrar nudez. Nós aspiramos respeitos o direito das pessoas compartilharem conteúdo de importância pessoal, se aquelas são fotos de esculturas como o David de Michelangelo ou fotos de família de uma criança sendo amamentada.”

 As políticas de publicação proíbem ainda conteúdos que promovam violência e ameaças, autoflagelação, bullying e discurso de ódio, bem como spam ou “phishing” (ataques em que páginas on-line são recriadas para disseminar conteúdo malicioso).

Em outras ocasiões, publicações enquadradas nas políticas de postagens do Facebook ou ignoradas pelos moderadores do site já colocara a rede social em saias justas.

A última delas foi o bloqueio da conta de uma italiana que postou uma foto de duas mulheres se beijando. A dona do perfil foi avisada de que a imagem infringia as regras por conter “nudez e pornografia”. Depois da repercussão negativa, o Facebook afirmou que a conduta havia sido um “erro”.

“Como você deve saber, às vezes cometemos um erro e bloqueamos conteúdo que não deveríamos ter bloqueado. Nós entendemos que as pessoas podem ficar frustradas quando, como nesse caso, um erro acontece", informou o Facebook, em nota.

A maior polêmica em torno de conteúdo foi causada não pela censura, mas pela decisão da rede social de manter uma publicação no ar. Em 2013, o site decidiu não bloquear o acesso a um vídeo que mostrava uma mulher sendo decapitada. "Embora o vídeo seja chocante, nossa postura está fundamentada na preservação dos direitos das pessoas de descrever, representar e comentar sobre o mundo em que vivem", informou o Facebook, justificando a manutenção do vídeo. Após a decisão, que foi criticada até pelo primeiro-ministro David Cameron, a rede social voltou atrás e retirou o vídeo e criou regras para coibir publicações similares.

 


Casal é preso após ser flagrado tendo relação íntima em praia

Postado em 16/6/2014 em 09:55 arquivado em aconteceu de verdade - 0 Comentários - Incluir Comentário - Link

Matthew McPeak e Stephanie Wallington foram vistos por salva-vidas que alertaram polícia sobre o incidente.

Um casal foi preso em Sea Isle City, no estado de Nova Jérsei, Estados Unidos, depois de ser flagrado tendo relação íntima no mar em uma praia pública.

Matthew McPeak, de 27 anos, e Stephanie Wallington, de 23, ambos da Filadélfia, foram acusados de atitude indecente depois do caso.

Eles só foram presos depois que a polícia recebeu uma denúncia do ocorrido. Salva-vidas locais viram o casal dentro do mar em um momento de amor, e fizeram a chamada às autoridades.

A cena acabou atraindo vários curiosos que pararam para os observar.
 


Policial se passa por menina de 13 anos na internet e prende funcionário pedófilo da Disney

Postado em 16/6/2014 em 09:48 arquivado em aconteceu de verdade - 0 Comentários - Incluir Comentário - Link

Earl Crutchfield, que trabalha no Mundo da Walt Disney, foi preso depois de ir ao encontra de policial.

Um funcionário do Mundo da Walt Disney foi preso por dirigir até o encontro de uma menina de 13 anos de idade, que na verdade era um policial disfarçado. Earl Crutchfield, de 34 anos - um assistente em treinamento de operações no parque temático - chegou ao endereço em Orlando na última terça-feira, onde encontrou apenas uma equipe de policiais prontos para algemá-lo.

De acordo com a polícia, Earl estava buscando uma vítima pela internet quando começou a conversar com o oficial que se passava por uma adolescente de 13 anos de idade.

O policial estava trabalhando como parte de uma investigação de exploração e abuso na internet.

Earl foi acusado de viajar com intenção de se envolver em relações íntimas com uma criança, depois que ele supostamente admitiu que planejava ter relacionamento real com sua vítima.
 


Idoso é preso suspeito de explorar sexualmente adolescentes; uma delas teria tido a virgindade leiloada

Postado em 16/6/2014 em 09:41 arquivado em aconteceu de verdade - 0 Comentários - Incluir Comentário - Link

Um idoso foi preso, nesta quinta-feira, por policiais da Delegacia da Criança e do Adolescente Vítima (Dcav), suspeito de explorar sexualmente menores de idade. Segundo os agentes, Jonas Xavier de Oliveira, de 64 anos, alugava quartos em sua casa, na Rua Ribeiro Sul, em Guaratiba, na Zona Oeste do Rio, para as adolescentes e também pagava uma delas para manter relações com ele. Ele negou os crimes. Os policiais, agora, investigam uma denúncia de que uma das menores, de 13 anos, teve a virgindade leiloada por uma mulher que seria cúmplice de Jonas.

Os agentes chegaram à casa de Jonas após receberem uma denúncia anônima. No quarto dos fundos do imóvel, eles encontraram uma jovem de 18 anos e uma menor de 16 dormindo em colchonetes. As meninas contaram que fugiram de casa e alugaram o cômodo há quatro meses. O valor - R$ 250 por mês - seria pago pelo namorado da mais velha, identificado por ela como sendo um policial federal. As duas confessaram que se prostituíam no quarto. A jovem de 18 anos contou que tinha relações com Jonas há dois anos, sempre em troca de dinheiro. O suspeito foi autuado em flagrante por exploração sexual de menores.
 

 


Adolescentes acusam taxista de tentativa de estupro dentro de carro

Postado em 13/6/2014 em 10:36 arquivado em aconteceu de verdade - 0 Comentários - Incluir Comentário - Link

Caso aconteceu na Vila da Penha e vítimas de 15 e 17 anos, respectivamente, saltaram do táxi em movimento

Duas jovens, de 15 e 17 anos, acusam um taxista de tentar violentá-las no início da madrugada desta quinta-feira, no bairro da Vila da Penha, na Zona Norte. Elas pegaram o táxi na Estrada Adhemar Bebiano, em Inhaúma, com destino à Vila da Penha, quando no meio do caminho o acusado teria começado a fazer perguntas íntimas e circulado com o carro pelas ruas do bairro. A denúncia chegou através do WhatsApp do DIA (98762-8248).

"Ele ficava puxando um papo, tipo amizade. Até parecia ser um cara legal. Depois ficou fazendo certas perguntas e eu e minha amiga não respondemos quase nenhuma. Ele falava que a gente não tinha que ter namorado, pois em Inhaúma (local onde elas pegaram o táxi) só tem gente estranha. Depois ele ficou perguntando a todo momento se eramos virgens e isso nos assustou. Quando chegou perto de a gente saltar, ele puxou a blusa da minha amiga", relatou a jovem de 15 anos.

Segundo a adolescente, o taxista pediu para que elas ficassem nuas e puxou a blusa da jovem de 17, entrando em luta corporal. Ela conseguiu abrir a porta do veículo, saltando do carro em movimento e batendo com a cabeça no chão. A outra menina ainda seguiu no táxi, sendo segura pelo cabelo pelo suspeito. Mas em seguida conseguiu também pular do automóvel, ficando com escoriações leves pelo corpo.

"Na hora eu não pensei em nada, apenas me joguei do carro. A minha amiga entrou em pânico, ela ficou desesperada. Agora eu não vou mais conseguir voltar tarde para casa", afirma.

Um amigo das jovens conseguiu anotar a placa do táxi, o que deve facilitar a identificação pela polícia. O motorista, que de acordo com o depoimento das vítimas é moreno, calvo e tem aproximadamente 35 anos, fugiu. O caso foi registrado na 27ªDP (Vicente de Carvalho).


Polícia prende idoso acusado de explorar sexualmente adolescentes

Postado em 13/6/2014 em 10:30 arquivado em aconteceu de verdade - 0 Comentários - Incluir Comentário - Link

Na residência de Jonas Xavier de Oliveira, de 64 anos, foram localizadas duas jovens de 16 e 18 anos. Elas confessaram que se prostituíam no local


Um idoso de 64 anos, acusado de explorar sexualmente adolescentes, foi preso na quinta-feira por policiais da Delegacia da Criança e Adolescente Vítima (DCAV). Jonas Xavier de Oliveira foi detido em flagrante em sua residência, na Rua Ribeirão do Sul, em Pedra de Guaratiba, na Zona Oeste.

Os policiais foram até o endereço após uma denúncia. Lá foram encontradas duas jovens, uma de 16 e outra de 18 anos, que viviam juntas num quarto. Elas confessaram que haviam feito programas sexuais com Jonas, recebendo a quantia de R$ 100.

As meninas informaram também que estavam na casa do acusado há quatro meses, quando fugiram de suas residências e que seus pais desconheciam onde elas se encontravam.

 

 


Justiça fecha bar e hotel na Zona Sul por incentivo à exploração de menores

Postado em 13/6/2014 em 10:22 arquivado em aconteceu de verdade - 0 Comentários - Incluir Comentário - Link

Decisão inédita suspendeu atividades econômicas de locais cujo 'lanche' servia de isca para programas

Em uma decisão inédita no Brasil, o delegado Marcello Braga Maia, titular da Delegacia da Criança e do Adolescente Vítima (Dcav), conseguiu junto à 29ª Vara Criminal da Capital uma medida cautelar para suspensão das atividades econômicas de dois estabelecimentos comerciais em Copacabana, na Zona Sul do Rio, acusados de incentivo à exploração sexual de vulneráveis.

Localizados, respectivamente, na Avenida Atlântica e na Rua Ronald de Carvalho, o restaurante e bar Balcony e o Hotel Lido foram notificados da decisão judicial no final da manhã de ontem — dia da abertura da Copa.

Durante investigações, policiais da especializada constataram que menores com idades entre 15 e 17 anos eram atraídas com lanches oferecidos pelo primeiro estabelecimento, onde acabavam aliciadas por turistas que as levavam para o hotel — conhecido como Lidinho —, onde conseguiam se hospedar sem que tivessem que apresentar documento de identidade.

“O restaurante tinha lucro de forma indireta, a partir do momento em que era conhecido por reunir adolescentes com as quais poderiam fazer programas sexuais e por isso atraía os turistas. E o hotel permitia que elas entrassem no estabelecimento sem comprovação da maioridade e sem a exigência do preenchimento da Ficha de Registro de Hóspedes, do Ministério do Turismo”, explicou o delegado, ressaltando que a exploração sexual de vulnerável é crime hediondo desde maio, com pena que varia de quatro a 10 anos de prisão.

Ainda segundo as investigações, as menores — moradoras da Baixada e Zona Oeste — cobravam R$ 150 por programa. Os responsáveis pelos dois estabelecimentos comerciais foram procurados, mas não quiseram falar sobre a denúncia.

Casas terão vigilância cerrada

O cumprimento da medida cautelar será fiscalizada por policiais da especializada e também por agentes do Núcleo de Atendimento aos Grandes Eventos da Polícia Civil e pelo Ministério Público. Caso algum dos estabelecimentos volte a funcionar sem autorização judicial, os responsáveis serão autuados por crime de desobediência.

Pouco após a interdição do restaurante, equipes da Fundação para a Infância e Adolescência (FIA) estiveram no local, distribuindo panfletos de conscientização em três línguas — português, francês e inglês. “Mês passando intensificamos esse trabalho. E agora, no período da Copa, estaremos em toda a orla da Zona Sul do Rio, fazendo esse trabalho de conscientização, acolhendo as crianças e encaminhando as denúncias recebidas”, revelou Alexandre Nascimento, assessor da Presidência da FIA.

 


Mulher é estuprada por policiais na Índia; jovem é encontrada enforcada

Postado em 13/6/2014 em 10:07 arquivado em aconteceu de verdade - 0 Comentários - Incluir Comentário - Link

 

Uma mulher que procurava notícias sobre seu marido, detido previamente por porte de arma, foi estuprada por três policiais em uma delegacia do estado de Uttar Pradesh, no norte da Índia, informou nesta quinta-feira a imprensa local.

De acordo com a fonte, o estupro ocorreu na madrugada de ontem em uma delegacia do distrito de Hamirpur, onde a vítima pretendia falar com seu marido após inúmeras tentativas.

Durante a madrugada, a vítima foi chamada pelo subinspetor da polícia local, Rahul Pandey, para abordar a detenção de seu marido e, após um tempo de espera, acabou sendo estuprada pelo agente agente citado junto a outros dois homens agentes. Após a ação, que teria se estendido por duas horas, os oficiais arrastaram a mulher até uma esquina próxima.

Depois de ameaçar e liberar a vítima, os agentes também soltaram o marido dela três horas depois, embora tenham reforçado as ameaças. No entanto, tanto a vítima como seu marido registraram queixa perante o superintendente da polícia do distrito, V.K. Shekhar.

"Foi registrada uma denúncia de estupro contra os policiais da delegacia", assegurou ao jornal local "Hindustan Times Shekhar", que confirmou a prisão do subinspetor Pandey, embora os outros dois agentes tenham conseguido fugir.

"Demos proteção total à mulher e estamos fazendo tudo o que podemos para capturar os dois fugitivos", acrescentou o superintendente de Hamirpur.

ENFORCADA

Mais uma adolescente foi encontrada enforcada em uma árvore nesta quinta-feira, supostamente após ter sido estuprada em Uttar Pradesh no quinto caso semelhante registrado na região nas últimas duas semanas, informou a polícia local.

A jovem de 16 anos foi encontrada nesta manhã em uma árvore nos arredores da cidade de Rajpura. Fontes policiais disseram à agência local "Ians" que a jovem teria sido raptada na noite de ontem, quando sua família se dirigiu a um casamento e a deixou sozinha em casa.

A família da adolescente denunciou o desaparecimento da jovem em uma delegacia ainda na noite de ontem, mas acabou sendo rechaçada pelos agentes. De acordo com os familiares, a menina também teria sido vítima de estupro, uma acusação que ainda está sendo investigada.

"Estamos investigando todas as possibilidades, incluindo a inimizade com alguma pessoa. Mas é muito cedo para qualquer conclusão", disse um policial local à agência "Ians".

Nas duas últimas semanas, quatro casos - com cinco vítimas - de mulheres enforcadas foram registrados no estado de Uttar Pradesh.

O penúltimo caso deles ocorreu ontem, quando uma mulher de casta baixa (dalit), de 45 anos, foi encontrada em uma árvore no distrito de Bahraich.

O filho da vítima assegurou que a mesma foi estuprada e denunciou que, recentemente, sua mãe havia registrado uma queixa à polícia sobre a máfia dos licores local.

No final de maio, duas primas, de 14 e 15 anos, também foram estupradas e enforcadas em uma árvore por um grupo de homens, um caso que gerou protestos em todo o país. Este crime também teve uma ampla repercussão internacional e gerou uma intensa polêmica em relação às denúncias de inação policial.

O governo de Uttar Pradesh, por sua vez, iniciou um serviço específico de atendimento telefônico direcionado às mulheres no estado, o mais povoado do país com quase 200 milhões de habitantes.

Diante desta polêmica relacionada à falta de direito das mulheres, o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, disse ontem que a proteção da mulher deve ser uma prioridade no país.

"Respeitar e proteger às mulheres deve ser uma prioridade para todas as pessoas deste país, já que, para seguirmos nosso caminho rumo ao desenvolvimento, necessitamos respeitá-las e garantir sua segurança", declarou o líder.


Nigéria confirma sequestro de 20 mulheres; Boko Haram é suspeito

Postado em 11/6/2014 em 09:26 arquivado em aconteceu de verdade - 0 Comentários - Incluir Comentário - Link

O governo do Estado de Borno, no norte da Nigéria, confirmaram nesta quarta-feira (11) o sequestro de cerca de 20 mulheres por um grupo de homem armados, supostamente formado por integrantes da milícia radical islâmica Boko Haram.

O fato ocorreu na quinta-feira passada em um assentamento do estado de Borno - reduto político e operacional do Boko Haram -, próximo a Chibok, onde mais de 200 garotas foram sequestradas pelo grupo terrorista no dia 14 de abril.

 "As mulheres foram sequestradas na quinta-feira passada em um assentamento da etnia fulani e levadas pela mesma rota pela que as meninas sequestradas anteriormente foram levadas", explicaram fontes do governo de Borno à Agência Efe.

Além disso, o governo estadual se disse "surpreendido" com o fato dos fundamentalistas terem atacado novamente a região, já que, agora, há uma "grande presença de segurança militar".

De acordo com o jornal local "Leadership", o sequestro ocorreu no momento em que um grupo de homens armados invadiu o assentamento e obrigaram as mulheres a entrar em várias caminhonetes.

"As mulheres foram levadas no momento em que não havia nenhum homem. Os únicos três jovens que estavam lá não puderam ajudá-las", relatou um vigilante local ao jornal citado.

Os três jovens, explicou, também foram obrigados a entrar nas caminhonetes e seguem retidos pelos assaltantes.

"Fomos avisados três horas depois. Tentamos ir atrás deles, mas os veículos que temos não podem ir muito longe, e o aviso chegou tarde demais", relatou o vigilante.

Apesar de nenhum grupo ter reivindicado a ação até o momento, as autoridades, devido às características do sequestro, suspeitam da seita Boko Haram, que ainda mantém parte das 200 meninas sequestradas em meados de abril.

No final de maio, o presidente da Nigéria, Goodluck Jonathan, prometeu uma "guerra total" contra o grupo terrorista, que, além de ter sequestrado as jovens, perpetra ataques quase diariamente no norte do país africano.

Apesar de Borno ser um dos três Estados em que o governo decretou estado de emergência, esta medida não conseguiu frear os ataques da milícia radical.

O grupo terrorista assassinou 12 mil pessoas e feriu outras 8 mil nos últimos cinco anos, segundo o presidente nigeriano.

Boko Haram, que significa "a educação não islâmica é pecado" em línguas locais, luta para impor um Estado islâmico na Nigéria, país de maioria muçulmana no norte e predominantemente cristã no sul.

Desde 2009, quando a polícia nigeriana matou o então líder do Boko Haram, Mohammed Yousef, os radicais mantêm uma sangrenta campanha de violência, a qual se intensificou nos últimos meses.

Com uns 170 milhões de habitantes integrados em mais de 200 grupos tribais, a Nigéria, o país mais povoado da África, sofre múltiplas tensões por suas profundas diferenças políticas, religiosas e territoriais.

 


Caso de mulheres que casaram com cachorro

Postado em 11/6/2014 em 09:17 arquivado em aconteceu de verdade - 0 Comentários - Incluir Comentário - Link

Em 2009, Emily Mabou, uma mulher nascida em ABuri, Gana, casou, aos 29 anos, com seu cão de 1 ano e meio. A família dela achou que Emily estava doida e boicotou o casório. Mas a moça seguiu com a empreitada. A cerimônia teve até padre.

— Eu queria alguém que, como meu pai, fosse bom, fiel, leal, e que não me desapontasse. Eu já me relacionei com muitos homens, mas eles só querem saber de rabo-de-saia!

------------------

A britânica Amanda Rodgers, de 46 anos, não aguentava mais engolir sapos, esperando pelo príncipe encantado. A mulher decidiu então se casar com seu cão de estimação, Sheba, uma terrier. A cerimônia que oficializou a tão aguardada união entre ela e a adorável cadelinha ocorreu em Split, na Croácia

------------------

Já na Índia, as coisas são mais espirituais...

Karnamoni Handsa, uma garota que, na época, tinha nove anos, precisou se casar com um cão vira-lata para se livrar de um feitiço maligno.

 


Homem é preso suspeito de abusar de meninas de 13 e 14 anos no DF

Postado em 11/6/2014 em 09:07 arquivado em aconteceu de verdade - 0 Comentários - Incluir Comentário - Link

Ele abusou de vítimas após festas regadas a álcool, segundo delegada.
Polícia afirma que suspeito pode ter feito pelo menos mais duas vítimas.


Um homem de 51 anos foi preso nesta terça-feira (10) suspeito de abusar sexualmente de duas garotas, de 13 e 14 anos, em Samambaia e em São Sebastião, no Distrito Federal. Ele tem 11 passagens pela polícia, nenhuma delas por estupro.

O homem tem passagens por corrupção ativa, parcelamento irregular de terras, ameaça e porte ilegal de armas de fogo. Em depoimento, ele afirmou não conhecer a vítima de 14 anos. Sobre a outra jovem, ele disse que havia pedido de volta o terreno ocupado pelos pais dela, por isso eles “inventaram” o crime.

 Segundo a delegada-chefe da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA), Valéria Martirena, o homem não tem vínculo de parentesco com as vítimas. Há a suspeita de que ele tenha abusado de pelo menos outras duas menores.

Valéria disse que o suspeito se gabava na região e que afirmava que gostava de "menininhas" e que "comia a mãe e a filha". "Ele promovia festas regadas a álcool e aliciava garotas da região para depois abusar delas", disse Valéria.

À polícia, a vítima mais nova, que hoje tem 17 anos, disse ter sido abusada sob a ameaça de expulsão dos pais dela de um lote de propriedade do suspeito. A garota de 14 anos alegou ter ingerido bebida alcoólica antes de sofrer abuso, diz a delegada.

Segundo a delegada, o caso chegou ao conhecimento da polícia após o pai de uma das vítimas ter ouvido boatos em Samambaia sobre um homem que promovia festas com meninas menores de idade.

No caso da vítima mais nova, o suspeito vai responder por estupro de vulnerável, já que ela era menor de 14 anos quando o crime aconteceu. A pena para o delito varia entre 8 e 15 anos de prisão.

O homem responderá por estupro no caso da menina mais velha. Segundo a delegada, apesar de a vítima ter dito que estava embriagada no momento do crime, não há laudo comprovando o fato. A pena, neste caso, é de 6 a 12 anos de prisão.

 


Antes da Copa, polícia intensifica blitze contra exploração sexual infantil

Postado em 11/6/2014 em 09:03 arquivado em aconteceu de verdade - 0 Comentários - Incluir Comentário - Link

G1 levantou dados de pelo menos 39 operações nas 12 cidades-sede.
No Rio, 5 meninas foram resgatadas da prostituição na semana passada.

 Nove dias antes da abertura da Copa do Mundo, e a apenas 2 km do Maracanã, duas adolescentes de 17 anos foram encontradas em situação de prostituição infanto-juvenil pela Polícia Civil do Rio de Janeiro. As meninas estavam sendo oferecidas por R$ 50, dentro de um recinto escondido e trancado com cadeado na Vila Mimosa, famoso ponto de prostituição da cidade.

Antecipando o esperado aumento das denúncias de exploração sexual infantil durante a competição, as delegacias especializadas em crimes contra crianças e adolescentes das 12 cidades-sede intensificaram as operações de fiscalização de prostituição. Levantamento feito pelo G1 nas 12 cidades mostra que, desde março, pelo menos 39 operações conjuntas da polícia, conselhos tutelares e varas da infância foram realizadas, resultando no resgate de pelo menos 20 menores de idade.

 Segundo os delegados, as garotas encontradas em pontos de prostituição, bares e hotéis geralmente estão sem documento ou usam documento falsificado. A maioria dos resgates só acontece quando os policiais se passam por clientes para se aproximar das jovens.

Em algumas cidades, a operação reunindo equipes grandes e uniformizadas serve para mostrar que os locais estão sendo observados e inibir a ação de aliciadores. Em outras, as denúncias são apuradas por investigadores infiltrados, com o intuito de prender exploradores em flagrante –a maior chance de comprovar o crime.

No Distrito Federal, as investigações levaram à prisão, nesta terça-feira (10), de um homem de 51 anos suspeito de explorar sexualmente diversas garotas de 13 a 17 anos. Segundo a delegada, o homem fazia festas em Samambaia e São Sebastião, onde ele supostamente oferecia as meninas para prostituição.

Em Natal, uma operação feita no dia 30 de maio e acompanhada pelo G1 visitou 18 dos 30 cabarés identificados pela polícia na cidade. Todas as mulheres encontradas pela equipe de cinco policiais civis, cinco policiais militares e dez agentes do Poder Judiciário tiveram os documentos checados. Quando são encontradas desacompanhadas, as menores de idade são levadas pela polícia até a delegacia, onde são ouvidas na presença de um conselheiro tutelar e entregues aos pais ou responsáveis legais.

A reportagem conversou com duas trans (termo usado para identificar travestis, transexuais ou transgêneros) que trabalhavam como prostitutas em um dos locais vistoriados. Na entrevista, ambas disseram que haviam entrado para a prostituição quando ainda eram menores de idade. O motivo era a promessa de dinheiro fácil.

 "Não era isso que eu queria da minha vida, mas é assim que estou conseguindo pagar minhas contas", afirma Larissa, nome de rua de uma trans de 19 anos, que disse ter começado aos 14. Raquel, de 18 e também trans, afirmou que as primeiras relações com meninos foram aos 13. "Depois de algum tempo, vi que poderia ganhar dinheiro e passei a cobrar, a fazer programas. Faço tudo o que o cliente quiser por R$ 80."

Além da exploração sexual infantil, as autoridades dizem que as denúncias mais frequentes são de oferecimento de bebida alcoólica para menores de idade e lesão corporal intrafamiliar (quando agressores têm parentesco com a vítima). Em Curitiba, uma operação feita na penúltima semana de maio terminou com alguns adolescentes encaminhados para casa e uma pessoa foi levada à delegacia para assinar um termo circunstanciado (vender bebida para menores não é um crime de alto potencial ofensivo).

 20 dias de exploração
Na última terça-feira (3), a operação no Rio, que durou quatro horas e meia, terminou com a prisão de três pessoas. "Estávamos investigando a chegada dessas adolescentes havia 20 dias. Policiais descaracterizados passaram a frequentar o local para realização de levantamentos sobre quem aliciava as jovens e para onde as meninas iriam", afirmou ao G1 o delegado da Delegacia da Criança e do Adolescente Vítima (DCAV), Marcello Maia (assista, no vídeo acima, reportagem da GloboNews de segunda-feira, 9, sobre a exploração sexual infantil no Rio de Janeiro).

Um dos presos foi apontado pela polícia como o proprietário do estabelecimento, prostíbulo com adesivos alusivos a sexo e cartazes anunciando o valor do programa e o preço do aluguel do quarto (R$ 12). Segundo as autoridades, o homem é conhecido na região como "Rei das Novinhas", e a investigação apontou que ele andava bem vestido e ostentando objetos de ouro usados para convencer as garotas abordadas que a prostituição lhes renderia dinheiro fácil.

 Na carteira dele, a polícia encontrou R$ 1.330. No celular, fotos e vídeos com cenas de sexo com crianças. Além de suspeito de aliciar adolescentes e faturar com a prostituição delas, ele é suspeito de provocar aborto em uma menina de 16 anos, corrupção de menores, receptação de veículo roubado e adulteração de sinal identificador de veículos.

Também foi presa uma mulher de 22 anos, suspeita de atuar como gerente do prostíbulo, recebendo os clientes e aliciando jovens, e um homem de 21 anos flagrado no meio do programa com uma das adolescentes.

Documento apreendido pela DCAV-RJ mostra que a casa mantinha um controle de caixa com detalhes de todos os programas das mulheres oferecidas aos clientes. As duas menores de idade usavam os nomes falsos Michele e Júlia. Entre as 19h15 de 16 de maio e as 6h do dia 17, por exemplo, o documento mostra que Michele atendeu cinco clientes e Júlia, dois. Nessa noite, os programas duraram entre 20 e 30 minutos e cada um rendeu aos aliciadores entre R$ 40 e R$ 50.

Segundo Maia, uma das jovens chegou a mentir a idade. Uma delas é analfabeta e chegou à prostituição há dois meses. A outra mencionou que estava nessa situação "já tinha algum tempo", afirmou ele. Ambas foram encaminhadas aos conselhos tutelares de suas regiões, para que fossem reunidas com os pais.

Na noite de quarta-feira (4), policiais infiltrados que vistoriavam o bairro de Copacabana prenderam em flagrante um representante comercial de 43 anos combinando um programa com uma adolescente de 17 anos. A jovem confirmou que entrou no carro do homem após concordar em passar 30 minutos com ele em troca de R$ 100. A adolescente, moradora de Mesquita, foi entregue aos pais na mesma noite. Ela foi uma de três jovens resgatadas de situações de prostituição infantojuvenil em Copacabana na semana passada.

 Prisões são raras
"Exploração sexual é delicada, porque depende de pegar o intermediador", explicou ao G1 a delegada Luciana Novaes, do Núcleo de Proteção à Criança e ao Adolescente Vítimas de Crimes (Nucria) do Paraná. Segundo ela, em 2014 mais de 350 inquéritos foram abertos pelo Nucria, sendo que a denúncia mais comum é de estupro de vulnerável, quando a violação é cometida contra menores de 14 anos. "Pode ser que mude durante a Copa, pode ser que as adolescentes fiquem expostas a esses eventos públicos. Mas até agora nosso maior índice de estupro é de vulnerável", diz ela.

No Recife, o gestor do Departamento de Proteção à Criança e Adolescente (DPCA) de Pernambuco, Zanelli Alencar, afirmou que não há inquéritos investigando rede de aliciadores de crianças e adolescentes no estado. Até abril deste ano, quatro pessoas foram presas por favorecer a prostituição e exploração sexual de crianças e adolescentes. "Este é um crime difícil de ser apurado porque requer o flagrante. Geralmente, são jovens que têm um histórico com problema familiar e moram na rua, então um adulto remunera de alguma forma o sexo com este menor, comercializa o corpo dele", explicou Zanelli.

O gestor diz que a maioria dos inquéritos são registrados como estupro de vulnerável porque, além de ser mais fácil de comprovar, a pena é mais dura. Entre 2012 e junho de 2013, a polícia chegou a encontrar cerca de 70 casos de adolescentes em situação de prostituição, sendo que, em algumas ocasiões, a mesma garota já encaminhada a um conselho tutelar voltava a ser encontrada nas ruas da cidade novamente.

 Mais da metade dos processos nas varas de infância em Pernambuco são relacionados a crime sexual. Na Copa, uma rede especializada vai atender ocorrências com crianças e adolescentes. "Teremos dois postos na Arena Pernambuco, um posto do DPCA no Centro do Recife, a Central de Plantões e o próprio DPCA, além de ações de conscientização em hotéis pela Delegacia do Turista", explicou o delegado Bruno Chacon.

Em Porto Alegre, Elisa Ferreira de Souza, delegada assistente da Delegacia para Criança e Adolescente Vítima (DPCAV), afirmou que, entre abril e maio, quatro operações foram feitas no Centro da capital gaúcha, no bairro Intercap, na Orla do Guaíba e em motéis e drive-ins da cidade. Segundo a delegada, as operações serão intensificadas durante o evento, com o reforço de policiais civis do interior do Rio Grande do Sul.

A assessoria de imprensa da Secretaria de Segurança Pública do Amazonas afirmou que, desde agosto de 2013, sete operações foram feitas em Manaus para fiscalizar "bares e hotéis que serviam como pontos de prostituição infantil e adulta, além de tráfico de drogas". A secretaria não soube precisar o número de adolescentes resgatadas nessa situação, mas afirmou que "famílias inteiras participavam dessas atividades ilícitas". Os menores de idade e seus familiares em situação de vulnerabilidade foram inseridos em programas governamentais.

Em Brasília, a Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA) explica que a região está fora da rota de turismo sexual do Brasil. Por isso, casos de violência sexual infantil com fins de exploração são menos comuns. Nas últimas semanas, a delegacia conseguiu pelo menos quatro mandados de prisão relacionados a estupro de vulnerável, mas não há comprovação sobre a possibilidade de essa violação ser relacionada à exploração.

 "Há casos de meninas que são exploradas em troca de drogas. Nesse caso, a situação é mais complexa. A investigação acaba ficando com a Cord [Coordenação de Repressão a Drogas]", disse ela ao G1. "Quanto mais perto dos 18 anos, mais comprometimento elas têm e mais difícil é identificar, pois elas precisam daquele dinheiro."

Antes da Copa do Mundo, a DPCA em Brasília fez um trabalho de orientação com a rede hoteleira e com os taxistas do Distrito Federal sobre como identificar um explorador sexual e como denunciar possíveis casos.

Em Cuiabá, a assessoria de imprensa da Polícia Judiciária Civil de Mato Grosso informou que a Delegacia Especializada de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente (Deddica) recebeu o reforço de 11 investigadores durante o período da Copa. O objetivo é "manter plantão de atendimento a demanda que possa ocorrer de casos de exploração sexual de crianças e adolescentes, por meio de fiscalização de estabelecimentos comerciais como bares, restaurantes, hotéis, motéis e outros pontos com denúncias, além de averiguar todas as denúncias repassadas pelo Disque 100 e os conselhos tutelares".

A delegacia especializada de Belo Horizonte também afirmou que receberá reforços de policiais do interior durante o mundial, e que as forças policiais trabalharão em plantões entre as 8h30 e a meia-noite. Em Fortaleza, as diversas forças de segurança e entidades que defendem os direitos das crianças e adolescentes foram às ruas para fiscalizar bares e restaurantes nos dias 8 e 29 de maio. Em Salvador, a polícia afirma que os casos mais frequentes são de adolescentes que se prostituem nas vias públicas, e que há menos denúncias sobre casos em hotéis e prostíbulos. Durante a Copa do Mundo, a mesma operação de fiscalização nas vias públicas feita durante o verão será retomada, com reforço de policiais e escalas extras de plantão.

Em São Paulo, a Câmara dos Vereadores aprovou, neste ano, o relatório final de uma CPI que investigou denúncias de exploração sexual infantil em três locais da cidade: o terminal de cargas Fernão Dias, o Ceagesp e a área no entorno do Itaquerão. Palco da abertura da Copa, ele fica perto de uma favela onde, mesmo antes do início das obras do estádio, a polícia já recebia denúncias de prostituição de meninas menores de idade. Entre as recomendações dos vereadores está a "garantia de orçamento para a revisão e a efetivação do Plano Municipal de Enfrentamento à Violência, Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes". Porém, não houve detalhamento de quanto dinheiro seria destinado a essa política.

A Secretaria de Segurança Pública não informou se operações contra a exploração sexual infantil estavam sendo realizadas na capital antes da Copa, mas afirmou que qualquer delegacia de polícia pode registrar e investigar esse tipo de caso, inclusive as delegacias de Defesa da Mulher. Ainda de acordo com a secretaria, policiais militares que atuarão em grandes eventos passaram, desde o ano passado, por um curso de enfrentamento ao tráfico de pessoas, exploração sexual e riscos inerentes ao turismo.


Aos 18 e 14 anos, dançarinas do Bonde das Maravilhas ficam grávidas e se afastam do grupo

Postado em 11/6/2014 em 08:48 arquivado em aconteceu de verdade - 0 Comentários - Incluir Comentário - Link

Karol, de 18 anos, e Renatinha, de 14, explicaram nas redes sociais que vão ficar um tempo sem dançar por conta da gestação

Conhecido pelo famoso 'Quadradinho de Oito', o Bonde das Maravilhas vai passar a ter uma nova formação. Duas integrantes do grupo de funk estão grávidas. Karol, de 18 anos, e Renatinha, de 14, contaram a notícia nas redes sociais e explicaram que vão precisar parar de dançar por conta da gestação.

"Gente, eu vou continuar dançando até onde eu conseguir e mesmo quando eu parar de dançar, devido a gravidez, vou continuar acompanhando as meninas nos shows!", explicou Karol. Após revelarem a gestação, as duas foram criticadas. No perfil oficial do grupo no Facebook, as outras integrantes mostraram apoio às futuras mamães.

"A Karol e a Renata estão sim realmente grávidas e vão dançar até onde puderem. Para as pessoas que estão criticando, pensem que elas tiveram coragem suficiente para assumir a gravidez e não abortar! E que têm a consciência de quem são os pais de seus filhos!!! Lembrando que elas irão voltar depois da gravidez, é isso ai e o Bonde continua!", escreveram elas. O bonde, a partir de agora, contará com Thaysa, Rafaela, Kathy, Thammy e Neca.
 


dolescente de 13 anos é julgado como adulto por causa do tamanho de seu órgão genital

Postado em 10/6/2014 em 08:46 arquivado em aconteceu de verdade - 0 Comentários - Incluir Comentário - Link

Justiça da Ucrânia julgou adolescente de 13 anos, que roubou celular, como adulto depois de descobrir que tamanho de seu membro.

Um adolescente ucraniano de 13 anos de idade está sendo julgado como adulto depois que a Justiça local descobriu que ele possui órgão genital incompatível com sua idade real.

O menino acabou sendo preso depois de acusação por roubar um telefone celular. Na prisão, quando ficou nu, os policiais ficaram surpresos com o tamanho do membro do adolescente.

Depois de uma análise realizada por médicos, foi determinado que o réu não tem apenas 13 anos de idade, concluindo que sua faixa etária real seria entre 16 e 17 anos de idade. Assim a Justiça da Ucrânia o colocou em julgamento como adulto.

 


Mulher que teve relação íntima com golfinho conta sobre sua experiência

Postado em 10/6/2014 em 08:39 arquivado em aconteceu de verdade - 0 Comentários - Incluir Comentário - Link

Margaret Howe Lovatt se relacionou com golfinho durante experimento da Nasa, e quase 50 anos depois, contou sobre assunto para TV.

Uma mulher que queria ensinar um golfinho a falar inglês acabou se envolvendo intimamente com o animal. Margaret Howe Lovatt se relacionou com o golfinho Peter, como parte de um experimento da década de 1960.

O animal era objeto de estudo da Nasa, que visava ensinar a língua inglesa para outras espécies que não humanas. Margaret viveu confinada em uma casa-aquário, junta ao golfinho, durante dez meses, nas Ilhas Virgens, nos EUA.

Agora, quase 50 anos após a experiência, a mulher falou sobre sua relação em um documentário à BBC.

"Peter gostava de ficar comigo. Ele se esfregava nos meus joelhos, nos meus pés, nas minhas mãos e eu permitia porque não era desconfortável pra mim".

Margaret relatou que, inicialmente, colocava Peter em um elevador para que ele se “divertisse” com as fêmeas. Mas, como as necessidades do animal se tornavam cada vez mais urgentes, e o transporte de Peter se fazia também cada vez mais difícil. Ela se permitiu viver a experiência com o golfinho.

De acordo com ela, a expectativa dos estudiosos era que o estudo contribuísse também para o processo do aprendizado do idioma para Peter.

A mulher disse que a relação desenvolvida com o animal foi íntima apenas para ele. Para ela foi algo somente sensual.

O experimento não foi finalizado por conta de rumores da época sobre o estudo. Algumas pessoas suspeitavam de que os golfinhos estariam sofrendo abuso de drogas com testes de LSD. Além disso, o envolvimento entre a mulher o animal também ressoou como escândalo.

O documentário que leva o nome de "The Girl Who Talked to Dolphins" (A garota que conversou com golfinhos) será exibido na quarta-feira (11/6), pela emissora produtora.
 


Conhecido como ‘Rei das Novinhas’, suspeito de atrair menores para a prostituição é preso na Vila Mimosa

Postado em 9/6/2014 em 08:45 arquivado em aconteceu de verdade - 1 Comentários - Incluir Comentário - Link

Policiais da Delegacia da Criança e Adolescente Vítima (DCAV) prenderam, na tarde desta terça-feira, um homem suspeito de aliciar menores para a prostituição na Vila Mimosa, situada na Praça da Bandeira, na Zona Norte do Rio. Anderson Fernandes Bezerra, de 30 anos, estava no estabelecimento “60 Night Club”, de sua propriedade, na Rua Sotero dos Reis, na companhia de duas adolescentes, uma gerente e um cliente. Segundo a polícia, ele era conhecido como “Patinho” ou “Rei das Novinhas”.

No local, também foram apreendidos documentos, relógios e vários cordões grossos, com pingentes em forma de coroa, além de R$ 1.330 em dinheiro e anéis dourados utilizados pelo acusado para ostentar riqueza. Com Anderson, havia ainda um veículo da marca Chery, ano 2010, que está registrado em nome de uma concessionária. O automóvel passará por uma perícia no chassi, e o responsável pela empresa terá que prestar depoimento.

Anderson também é suspeito de integrar uma quadrilha especializada em roubo e adulteração de veículos que atua na Região Metropolitana do estado. Ele tem, ainda, passagens na polícia por corrupção de menores e por provocar um aborto numa jovem de 16 anos.

No celular do suspeito, foram encontradas fotos e vídeos em que aparecem menores de idade. Com isso, além de responder por favorecimento da prostituição ou outra forma de exploração sexual de vulnerável - crime que passou a ser considerado hediondo no fim de maio -, o acusado também será enquadrado por armanezar sexo explícito envolvendo crianças e adolescentes. Em parte das imagens, Anderson aparecia com suas joias ao lado de mulheres aparentando pouca idade, até mesmo em passeios de lancha.

Também foi presa a gerente do prostíbulo, Gabriela Noêmia Avanza França, de 22 anos, apontada como a pessoa responsável por receber os clientes e aliciar as jovens. Já Patrick Michel de Souza Telles, de 21 anos, foi detido por ter sido flagrado praticando atos sexuais com uma jovem de 17. No estabelecimento, uma placa mostra que os programas custavam R$ 50, mais R$ 12 pelo uso do quarto.

As duas adolescentes de 17 anos encontradas no local, uma delas analfabeta, foram ouvidas na presença de um conselheiro tutelar e serão encaminhadas a um abrigo da prefeitura. De acordo com a polícia, ambas encontram-se em situação de vulnerabilidade econômica e vêm de famílias desestruturadas. Elas relataram que se prostituíam para fins de subsistência.

Segundo o delegado Marcello Maia, titular da DCAV, a operação que culminou com as prisões desta terça-feira foi fruto de uma investigação de 20 dias. O trabalho da especializada, acrescenta o delegado, assegurou que quinze adolescentes exploradas sexualmente fossem acolhidas nas últimas semanas.
 


Homem é preso acusado de estuprar as três filhas no município de Iguaí

Postado em 5/6/2014 em 09:40 arquivado em aconteceu de verdade - 0 Comentários - Incluir Comentário - Link

As vítimas tinham 8, 12 e 14 anos

Um homem foi preso, na terça-feira (3), no município baiano de Iguaí, localizado a 497 km de Salvador, acusado de ter estuprado as próprias filhas de apenas 8, 12 e 14 anos.

 Segundo a DT (Delegacia Territorial) do município, o homem está detido na própria delegacia esperando decisão da Justiça sobre o destino do suspeito.

As vítimas ainda não foram ouvidas na unidade policial, porém, segundo o agente, a data para o depoimento já está marcado, mas a polícia preferiu não divulgar.
 


Homem compra pacote de aumento peniano na web e recebe lupa

Postado em 5/6/2014 em 07:31 arquivado em aconteceu de verdade - 0 Comentários - Incluir Comentário - Link

 

 

 

Um vaidoso malaio ficou bastante decepcionado ao receber um pacote de aumento peniano que adquiriu online. Para a surpresa do homem, quando a caixa chegou só havia uma lente de aumento dentro da embalagem.

 

Definitavente, o método esperado pelo homem identificado apenas como Ong não era esse.

 

Segundo o jornal The Star, da Malásia, a caixa ainda continha um alerta: Não use sob raios solares.

 

Ong gastou cerca de R$ 380 pelo "sistema de aumento peniano", quando uma lupa custa cerca de R$ 20.

 

O homem prestou queixa ao serviço de proteção ao consumidor da Malásia.

 

"Ele é mais um dos infelizes que caíram em fraudes desse tipo", comentou o funcionário do órgão Seri Michael Chong, em entrevista à publicação.

 

 

 


Professora causa revolta ao raspar as axilas das alunas na sala de aula

Postado em 5/6/2014 em 07:31 arquivado em aconteceu de verdade - 0 Comentários - Incluir Comentário - Link

 

 

Um professora australiana causou polêmica por conta de uma prática com suas alunas em uma turma especial. Ela raspou as axilas das meninas, sob alegação de que era parte do currículo escolar. 

 

A mãe de Taylah, uma adolescente de 14 anos que passou pelo procedimento da professora, se mostrou indignada, e foi reclamar com a direção do colégio. Eles, por sua vez, comentaram que raspar as axilas era parte do currículo escolar. 

 

“Conversei com a professora no dia seguinte, e ela me disse que havia feito aquilo por ser parte das normas da escola”, contou Melissa Woods, mão da aluna citada.

 

Após a polêmica, a direção da escola se desculpou por não ter enviado um documento pedindo autorização para raspar as axilas da garota. Mesmo assim, eles insistiram que continuarão com a prática no local.

 


« Última Página :: Próxima Página »

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...